terça-feira, 21 de dezembro de 2010

21º Capítulo


-Acredita no Destino?

Sofia revirou os olhos e deixou o sorriso aparecer novamente.

-Não ouviste nada do que disse pois não?

-Segui cada palavra sua com a maior atenção, mas me diz uma coisa. Porquê entrou no restaurante naquele preciso dia e não noutro qualquer? Ou mais importante, porquê está aqui, neste preciso momento?

-Eu acredito no Destino sim, não há coincidências.

-Há coincidência sim, apenas tanta coincidência junta é impossível.

Sofia voltou a encará-lo, sabia que ele tinha razão. Aliás, sabia que ele tinha toda a razão. Ainda não tinha tido uma falha desde que ela chegára à sua casa e começava a questionar-se quando seria a 1ª. Ela precisava desesperadamente dessa falha como pretexto para sair porta fora. Se a coragem lhe faltava, um erro por parte de David era o tudo o que pedia. Mas o modo como ele fazia as coisas não deixava margem para falhas, cada gesto ou palavra vindo de si apenas o tornavam cada vez mais …

.. Apetitoso.

Sofia sorriu com este pensamento, a palavra ‘apetitoso’ era um adjectivo demasiado pobre para o descrever. Essa palavra ainda estava para ser inventada.

-Mudei de ideia, esse seu sorriso não vale ouro não. Não pode haver ouro que o consiga comprar.

Sofia baixou lentamente a cabeça em sinal de embaraço, não sabia o que fazer e muito menos o que dizer. Tinha com todas as forças que sair dali. Tinha digamos, não queria. O seu cabelo tapou-lhe a cara e o sorriso depressa se esmoreceu como uma leve brisa de vento passageira. Ficou assim, e tão rapidamente como o seu sorriso surgiu e se foi, também os seus olhos ficaram demasiado cristalinos, demasiado emocionais. Apetecia-lhe correr na direcção de David, abraçá-lo e sentir o calor que o seu corpo podia emanar. Mas não, manteve-se imóvel. Algo a impedia de se tornar impulsiva e definitivamente não era David. Esse quase que podia apostar estar disposto a um abraço, a apertá-la contra o peito de uma forma única e ficar assim durante muito tempo.

Sentiu a cadeira onde David estava arrastar-se para o sítio onde pertencia. Cerrou os olhos e engoliu a seco, engoliu as palavras que nunca lhe poderia dizer. Por mais que lhe custasse a sua decisão estava tomada, apenas esperava o momento oportuno para conseguir, sim conseguir realizá-la. Luiz sentou-se ao seu lado e rapidamente Sofia tomou uma postura aparentemente normal. Se alguém conseguisse ler o que lhe ia na alma naquele preciso momento ela tornar-se-ia a mulher mais sub-entendida neste mundo. Quem nunca teve o homem da sua vida ao lado sem nunca existir permissão para lhe tocar? Muitas mulheres sentiram isso na pele.

Mas quem, alguma vez na vida se sentou ao lado do homem que amava sentindo que era admirada por ele, sentindo que nada mais existia por parte dele, além de uma verdadeira sinceridade no olhar, uma preocupação que tocava a todos? Sofia sentia. E talvez por isso se considera-se a mulher mais realizada do mundo, a par com uma grande tristeza que lhe percorria as veias ao mesmo tempo.

6 comentários:

Matiee disse...

Ai rapariga, tá brutal +.+
Lindo lindo lindo !

Continua :)
Beijinhos*

Catysilva disse...

Isto está cada vez a deixar-me mais curiosa!!!

Sempre li a tua fic, mas nunca comentei, falha minha :S

Continua, adoro... esta espera mata-me :P

Bjs

Ana disse...

maravilhoso...

quero mais...

posta mais hoje, por favor...

eles têm de se entender de uma vez por todas...

continua... tá muito boa a tua fan fic...

Cat disse...

Love this (L)

Anônimo disse...

por favor tenta dar-me o link onde arranjas-te a foto do cap. 19, por favor...

continua
bjs

Janee disse...

L-I-N-D-O!

quero mais